Empresa: LIVING TOURS  
〉〉 Sector: Turismo  
〉〉 Investimento Inicial: 20K€  
〉〉 Faturação: 800K€/mês pré-covid/(Pós-covid: 40%)  
〉〉 Facebook: 5K; Instagram: 1,1K     


Olá! Fala-nos um pouco sobre ti e sobre o teu negócio?

Chamo-me Rui Terroso, sou CEO e Fundador da Living Tours, sou licenciado, pós graduado e com MBA em Gestão, sou casado tenho 2 filhos e 2 cães, sou disléxico tal como os meus 2 filhos, uma disfunção na leitura e escrita que nos trás algumas dificuldades acrescidas mas com outras valências ao nível da criatividade, inovação, entre outras. Tenho como propósito de vida experienciar o mundo, propósito este que me levou a criar a Living Tours em 2004, um Operador Turístico de Receptivo para Portugal e mais tarde alargado a toda a Espanha.

Temos como objetivo desde a nossa fundação, mostrar ao mundo (turistas que nos visitam) o que de melhor temos, somos e sabemos fazer em Portugal e Espanha.

Trabalhamos em várias frentes em toda a Península Ibérica, desde a operação própria de Tours e Transfers, às Agências de Receptivo presencial no Porto e em Lisboa, aos DMC´s e Eventos - Porto, Lisboa e Barcelona, à nossa plataforma Online/Marketplace com +2500 Tours, Atividades e Experiências em toda a Península Ibérica continental e Ilhas, e temos ainda muitas ideias e projetos para levar a cabo.

Somos praticantes do capitalismo consciente e preocupamo-nos com a sociedade e com a nossa Pegada Ambiental. Queremos através do empreendedorismo deixar um legado de um país melhor, um país mais justo, mais inclusivo, mais limpo e mais equilibrado! Apoiamos várias causas sociais tendo como a principal: - Livingtourianos com Causa: 1 por 1 -  onde doamos uma refeição por cada participante nos nossos tours, aos sem abrigo e carenciados do Porto, Lisboa e Coimbra através de 3 instituições de solidariedade social.

Temos outras causas, como angariação de bens alimentares a cada 2 meses, limpezas de praias, apoio à natalidade, 1 dia extra de férias a todos os dadores de sangue livingtourianos, entre outras causas sociais que levamos a cabo com as nossas comunidades locais. 

A nossa faturação anual pré-covid rondava os 10M€, com uma equipa a chegar aos 100 colaboradores, com mais de 250.000 clientes ano quer do B2B & B2C, de todo o mundo. Temos uma participação e presença anualmente nas principais feiras e workshops a nível mundial com o Turismo de Portugal  e com a Marca Gray Line que representamos.

  Qual é o teu background e como surgiu a ideia deste negócio?

Eu sempre tive a vontade ou a ideia que queria ser empreendedor só não sabia em quê, talvez pela influência do meu pai que também criou a sua própria empresa bem sucedida até aos dias de hoje ou também um efeito da dislexia dado tantos empreendedores no mundo do empreendedorismo disléxicos! 

Então desde o meu 1º salário que iniciei a trabalhar na empresa dos meus pais, tal como os meus irmãos e após a faculdade, a minha preocupação foi juntar o meu pé de meia para poder fazer acontecer o meu próprio negócio! 

Tinha 3 ideias de negócio quando terminei a faculdade em 2000, com os planos de viabilidade financeira etc realizados: o 1º era um e-commerce de venda de vinhos online para restaurantes e afins, poderia ter sido uma excelente opção. O 2º era a distribuição porta a porta pela madrugada de jornais e revistas sob assinatura, em papel físico, um modelo americano e japonês em alta na altura, mas que hoje só teria sobrevivido no online ou não teria viabilidade e o 3º, um negócio ligado ao turismo, talvez o mais difícil dado a escassez de turismo no Porto na altura, não haviam ainda companhias aéreas Low-cost a operar na cidade e em Portugal e o turismo era muito residual.

Mas foi o meu propósito e o gosto pelas viagens de experienciar o mundo que me levou a criar uma empresa de visitas guiadas ao património histórico cultura do Porto e Norte de Portugal com o 1º nome: Living in Portugal - Animação Turística Lda, mais tarde alargado a toda a Península Ibérica.

Portanto, sou completamente um outsider no turismo, estudei Gestão e nunca trabalhei em turismo antes de criar a Living Tours, tal como o meu ex-sócio fundador o meu melhor amigo da faculdade, que apesar de termos separado as empresas que tínhamos, continuamos a ser os melhores amigos e parceiros.

Sempre nos apoiamos no boca a boca, esta foi a nossa estratégia, pois não tínhamos verbas para apostar em marketing! Com bons comentários e clientes satisfeitos este boca a boca com tempo gera resultados, e sem custos de investimento, vai atrair cada vez mais pessoas satisfeitas!

A ideia do turismo, surgiu no penúltimo ano da faculdade e mais uma vez fruto da dislexia, que dificulta a aprendizagem do inglês devido aos fonemas que a língua inglesa lidera, fui assim para uma casa de família e para um colégio em Dublin na Irlanda (mais barato que em Londres) para aprender e melhorar o Inglês por opção própria. Foi em Dublin que me deparei já com algum turismo de expressão com as visitas guiadas, desde walking Tours, tours em bicicleta, aos autocarros turísticos de dois andares, algo completamente inexistente no Porto e em Portugal em 1999.

Comecei a delinear os primeiros tours e visitas guiadas e a realizar as primeiras reuniões e entrevistas com diretores de hotéis e rececionistas, a tentar perceber se haveria espaço e necessidade de uma empresa que satisfizesse tal ou tais necessidades e pareceu-me que havia uma necessidade e um problema por resolver, foi quando comecei a definir e a criar desde o nome, o logotipo da empresa, como deveria funcionar, o modelo de negócio na íntegra.

Como trabalhava ainda na empresa dos meus pais, e não podia abandonar a empresa e dedicar-me a 100% ao negócio, apresentei o projeto ao meu melhor amigo da faculdade que acreditou e aceitou ser meu sócio e assim demos início à fundação da Living Tours.

Tivemos alguns erros de percurso, como o nosso primeiro tour, tínhamos um autocarro de 50 lugares alugado na expectativa que iríamos arrancar em grande e não poderíamos rejeitar reservas 🙂 Apenas tivemos 4 turistas, que no arranque do tour passou a 6, enquanto a guia fazia a visita na Catedral nós fomos com o motorista buscar os outros 2 turistas, no total 6 turistas, mais o motorista a guia e nós que fomos acompanhar para nos certificarmos que tudo correria pelo melhor!

Cometemos erros iniciais e ao longo do caminho mas o mais importante é perceber os erros para não voltar a errar e preferencialmente errar pequeno para acertar grande se for o inverso, estamos condenados no projeto seja ele qual for.

Como foi o processo de lançamento do negócio?

O lançamento do negócio foi muito por impulso e sensibilidade, com uma capacidade elevadíssima de adaptação às exigências do mercado, sobretudo as exigências e necessidades dos clientes, sempre com um foco total no cliente, até aos dias de hoje os tratamos por convidados, são eles que nos pagam os salários não sou eu na qualidade de CEO, são eles que acreditam no nosso projeto e trabalho e compram connosco, se comprarem com a concorrência estarão a trabalhar para o nosso despedimento e encerramento a longo prazo! Este sempre foi o nosso foco, o cliente!

Sempre nos apoiamos no boca a boca, esta foi a nossa estratégia, pois não tínhamos verbas para apostar em marketing! Com bons comentários e clientes satisfeitos este boca a boca com tempo gera resultados, e sem custos de investimento, vai atrair cada vez mais pessoas satisfeitas!

Como tínhamos poucas possibilidades, foi o começar pequeno mas sempre a pensar no crescimento e no reinvestir tudo o que ganhamos para poder crescer.

Inicialmente os planos eram criar oferta para uma viatura de 9 lugares, rentabilizar ao máximo foi criar produto para uma ocupação a 100% 🙂 Então Criamos um tour de cidade de meio dia na parte da manhã e outro igualmente da parte da tarde e um jantar com espetáculo de Fado ou Jantar num restaurante tradicional à noite.

Foi fazer um tríptico e distribuir em todos os hotéis da cidade do Porto, postos de turismo e agências de recetivo como os DMC´s entre outros, tudo muito físico, o online ainda não existia como hoje o conhecemos.

O mais importante e difícil foi vender a ideia, o modelo sem ele existir, chegar a um operador turístico e vender: que fazíamos as melhores visitas de cidade, sem histórico, sem redes sociais em 2004, sem qualquer  referência que pudesse comprovar.

Passou muito pelo vivenciar, pelo acreditar, se nós não acreditamos então quem irá acreditar, e saber passar este acreditar que tudo está a funcionar na perfeição e depois fazer acontecer mesmo pelas nossas mãos e pelas mãos da nossa equipa!

Hoje 60 a 80% do meu tempo é dedicado às pessoas, a dar feedback a acompanhar o trabalho deles, a motivar e incentivar a darem o melhor deles todos os dias, desenvolver planos de carreiras juntamente com as chefias intermédias, entre muitos outros.

O grande dia em que se confirmou que a mensagem passou foi com a chegada real de um fax na minha sala de casa onde era a sede da empresa, com um telefone fixo, um telemóvel e uma secretária, nada mais. Quando chegou este fax da Top Atlântico pelas mãos da Isabel Soares diretora de Receptivo para Portugal, a quem dias ou semanas antes eu tinha estado a apresentar a empresa: o como, e o porquê o  fazíamos, a nossa visão e missão, a passar um sentimento de que estavam a ser as melhores visitas e experiências da cidade e que os turistas dela iriam ser recebidos daquela forma e depois fazer para que acontecesse realmente assim. Finalmente alguém tinha acreditado e foi daquela forma que chegou a confirmação da 1º de milhões de reservas ao longo destes 17 anos! Foi um dia histórico! A sensação do Yes we Can!

A estratégia de preço foi um posicionamento do meio termo, nem o mais caro, que eram vendidos pelos motoristas de turismo em privado, nem o mais barato mas sim um posicionamento num 4 estrelas, uma excelente relação qualidade preço! E que mantemos até aos dias de hoje.

A escolha do nosso principal Fornecedor/Parceiro também foi uma aposta certeira e efetivamente mantemos uma parceria até aos dias de hoje - Caves Croft e todo o grupo Taylor´s - hoje levamos lá centenas a milhares de turistas anualmente a visitar as quintas no vale do Douro como é o caso da Quinta da Roeda/Croft - Taylor´s.

O lançamento da nossa plataforma de e-commerce online surgiu bastante mais tarde em 2015, e a plataforma utilizada foi o magento, mas completamente adaptado e criado de raíz para o nosso modelo de negócio, com bastantes dificuldades pois não existe em Portugal nenhum outro operador de Tours, Atividades e Experiências B2B e B2C online, logo não há experiência nesta área, teve de ser tudo adaptado para o nosso modelo de serviço e não de produto físico, como a grande maioria de ferramentas existentes no mercado.

Como foi os primeiros tempos em atividade? O que funcionou em termos de atrair os primeiros clientes?

Em 2004, o marketing foi direto nos hotéis e parceiros, mais tarde através de angariação de parceiros nacionais e internacionais em feiras de turismo.

O grande canal de marketing foi o boca a boca, hoje ainda continua a ser nas várias plataformas de reviews como o Tripadvisor e todos os marketplaces como Get Your Guide, Viator e Civitatis…. entre outros.

Ainda continuamos a apostar no crescimento orgânico online no google, mas também fazemos algumas campanhas de marketing pagas.

A fidelização dos nossos clientes não é fácil, não temos clientes que visitem muitas vezes o mesmo destino, nós somos especialistas na Península Ibérica e a maioria das vezes o nosso cliente compra uma única vez conosco infelizmente, por isso os nossos principais clientes são os nossos parceiros, as plataformas online e parceiros offline que nos enviam turistas com frequência e ao longo dos anos, porque acreditam no nosso produto e serviço. 

Como está a correr neste momento o negócio, e como prevês a evolução nos próximos 3 anos?

Com a pandemia o turismo atravessou sérios problemas, nunca imaginaria passar por algo assim, mas temos que nos levantar e reerguer esse é o foco, focar na solução e não no problema sempre!

Tivemos de fazer um despedimento coletivo de cerca de 80% da empresa, uma medida drástica devido a termos encerrado no dia 16 de Março faturação zero a partir desse dia e tivemos de devolver todas as reservas e montantes já recebidos para serviços futuros, foi um autêntico saneamento financeiro que o turismo sofreu, pois ninguém sabia quando poderia voltar a viajar e queriam o seu dinheiro de volta.

Foi um ano e meio sem operar, sem faturar, sem poder trabalhar, mas felizmente aproveitamos para nos reinventarmos, ao nível de algumas áreas que tinhas de desenvolver, quer ao nível do nosso online, e dos nossos Recursos Humanos, como definir um modelo de avaliação de desempenho etc etc.

O turismo felizmente está a retomar, andamos nos 40% dos meses trabalhados comparativamente a 2019, esperamos atingir os 80% em 2022 e poder em 2023 ultrapassar e crescer novamente!

Estamos também a estudar novas áreas de negócio dentro do turismo, e a expansão do atual modelo de negócio, noutras cidades em Portugal e Espanha.

Estamos sempre na procura por inovações e crescimento, acreditamos que quem não está a crescer está a morrer, ao longo destes 17 anos sempre re-investimos os nossos lucros para crescermos. A banca também sempre foi a nossa opção de crescimento e investimento, esta é a filosofia das empresas e dos negócios que acreditamos e iremos continuar a pôr em prática diariamente nas nossas empresas.

O que destacas como mais importante em termos de aprendizagem com o lançamento deste negócio que queiras partilhar connosco?

O mais importante e relevante que aprendi nos negócios, foi o saber lidar com pessoas e alinhar pessoas ao nosso propósito, liderar pelo exemplo e fazer sentir às pessoas que são parte do processo e das soluções e que juntos construímos e  conseguimos! Numa 1ª fase é fundamental o estarmos focados em conseguir levantar sozinhos a ideia, é passar do papel ao fazer acontecer e tornar realidade, mas logo depois precisamos de pessoas para crescer, essa é uma grande aprendizagem que nunca nos foi dada na escola ou faculdade, saber lidar com pessoas e trabalhar essas competências, pois quanto mais a empresa cresce mais importantes se tornam!

Hoje 60 a 80% do meu tempo é dedicado às pessoas, a dar feedback a acompanhar o trabalho deles, a motivar e incentivar a darem o melhor deles todos os dias, desenvolver planos de carreiras juntamente com as chefias intermédias, entre muitos outros. 

Conselhos para os nossos leitores e futuros empreendedores que pretendem lançar o seu negócio?

Os meus conselhos e dicas para futuros empreendedores são:

  • Procurar uma área que sejam apaixonados;
  • Criar um produto ou serviço que resolva um problema; 
  • Focar nas Vendas – Sem vendas qualquer empresa quebra;
  • No início é fundamental dominar um pouco de todas as áreas;
  • Persistência - Resiliência – Determinação - Nunca desistir;
  • Focar nas pessoas! Clientes, Parceiros, Colaboradores – Equipa;
  • Capacidade de Adaptação Constante - “Não são os mais fortes que sobrevivem mas sim quem têm maior capacidade de adaptação – Charles Darwin;
  • Pensar Grande mas Começar Pequeno! - Começamos há 17 anos, com uma viatura… mas sempre com um pensamento grande até crescer!
  • Focar-se na Solução e Não no Problema - A Vida é uma constante resolução de problemas;
  • Perante os problemas temos duas opções: 
    • Ficar eternamente a reclamar e nunca vamos sair daquilo;
    • ou agira, ir atrás, resolver, ultrapassar, solucionar e seguir em frente;
  • Agarrar as oportunidades sempre;
  • Liderar pelo Exemplo - Comportamento Humano! 
  • Uma boa capacidade de Gestão Emocional - Saber gerir os imensos nãos e as portas fechadas;
  • Errar Pequeno para Acertar Grande – Aprender com os erros;
  • Ser verdadeiro e Transparente com todos, Clientes, Parceiros, Colaboradores – Visão de Futuro e continuidade;
  • Ter uma Cultura de Inovação constante na empresa - por toda a equipa;
  • Ser um Investidor e não um empresário sempre!;
  • Ter uma Cultura Empresarial Forte: Ter bem definido – A Missão, A Visão, Os Valores e O Propósito;
    • Bem comunicada interna e externamente;
    • Que seja vivida e praticada diariamente na empresa;
  • Criar uma cultura de trabalho onde as pessoas possam ser elas mesmas e onde todas as ideias sejam bem-vindas;
  • Ter um pensamento crítico e estar aberto a outras opiniões e estar disposto a mudar de opiniões é fundamental para a empresa;
  • Apoiar Causas sociais e Ambientais, vai envolver equipes, clientes e parceiros – Vai tornar a empresa e a marca adorada pelo mercado;
  • Permitir o Intraempreendedorismo e Inovação;
  • Promover a Diversidade, cultural, racial, gênero,… enorme potencial;
  • Celebrar as vitórias e conquistas com a equipa; 
  • Promover o Trabalho de Equipa- Todos acrescentam valor;
  • Saber delegar é fundamental para crescer – tarefa difícil;
  • Contratar com Paixão;
  • Focados nos Clientes – São quem pagam os salários e garantem o futuro;

Que plataforma web e ferramentas de marketing digital são usadas para o teu negócio?

  • Magento1.0 (a evoluír para o 2.0)
  • Google: Search Console; Analytics
  • Mailchimp
  • Canva
  • Ferramentas de Análise e SEO, ex.: backlinko.com/seo-tools 
  • Copyscape 
  • Programas de embaixadores e afiliados 

Recomendas algum(s) livro(s) ou outra fonte de inspiração que mais te tenha influenciado?

A leitura é sem dúvida algo que adoro fazer nos meus tempos livres, a vida é uma aprendizagem contínua e a leitura tem um poder fortíssimo. Devido à dislexia ler foi um gosto que adquiri bastante mais tarde mas que nunca mais abandonei. Inspiro-me e motivo-me essencialmente a ler biografias de empreendedores, como é o caso dos empreendedores também disléxicos Richard Branson e Steve Jobs, mas também recomendo outros livros como por exemplo:
→ Aprender com os melhores, 1 e 2, de Francisco Alcaide Hernândez
→ Rebeldes Têm Asas, de Rony Meisler fundador e CEO da marca de roupa brasileira, Reserva
→ Dedique-se de coração de Howard Schultz CEO e fundador da Starbucks;
→ Capitalismo Consciente de John Mackey e Raj Sisodia
→Ao nível de gestão os Livros de Simon Sinek: Primeiro Pergunte Porquê, Os líderes comem por último e o Jogo Infinito.
Muitos outros poderia recomendar tenho mais de 250 livros lidos e estudados com montes de apontamentos e insight anotados que coloco depois em prática no meu dia a dia e da empresa.

Onde podemos saber mais sobre a tua empresa?

www.livingtours.com

O meu blog que retrata um pouco a minha história, bem como os valores e a cultura Living, e dicas e conselhos para empreender:

https://www.livingtours.com/pt/blog/author/rui-terroso-ceo/author/rui-terroso-ceo/page/1

O blog Living Tours: https://www.livingtours.com/pt/blog/

Vem trabalhar connosco na Living Tours: https://living-tours.factorialhr.pt/

O que estamos a fazer para a sutentabilidade e as nossas causas sociais, dos Livingtourianos com Causa: 

https://www.livingtours.com/pt/blog/category/sustentabilidade

Fundador Living Tours

Olá, sou o José, o fundador do PerfilEmpreendedor. Aqui entrevistamos empresários e líderes de sucesso e partilhamos as suas histórias.

Queremos ajudar a comunidade de empreendedores e futuros empreendedores a começar o seu negócio.

Estás interessado em começar o teu próprio negócio? Inscreve-te na nossa newsletter para estares sempre a par das histórias de empresários de sucesso de lingua Portuguesa, que explicam como começaram o seu negócio.

Integra a nossa comunidade:

  • Recebe conselhos úteis de empresários da nova geração sobre os desafios e as barreiras a ultrapassar num novo negócio;
  • Conecta com outros membros like-minded;
  • Obtém dicas preciosas de como começar e fazer crescer o teu negócio;
  • Recebe de forma exclusiva a nossa newsletter com os melhores exemplos de sucesso;
  • E muito mais...!
  • Deixe um comentário

    O seu endereço de email não será publicado. Os campos necessários estão sinalizados.

    {"email":"Email address invalid","url":"Website address invalid","required":"Required field missing"}