Empresa: MARFIN  
〉〉 Sector: Marketing Digital  
〉〉 Faturação: 70KR$/Mês  
〉〉 Investimento Inicial: 250KR$  
〉〉 Instagram: 4K; Linkedin: 2.7K; Facebook: 570


Olá! Fale-nos um pouco sobre si e sobre o seu negócio?

Primeiramente, muito obrigado pelo convite. É um prazer compartilhar um pouco da nossa breve história aqui no Perfil Empreendedor.

Eu sou Ivan e sou co-fundador da Marfin. A Marfin é uma plataforma para alocação de profissionais em serviços digitais. Em nossa plataforma as empresas e pessoas podem contratar serviços e profissionais de marketing digital e inside sales em diversos formatos e, ao mesmo tempo, oferecemos uma plataforma completa para profissionais independentes oferecerem e venderem seus serviços.

Hoje, temos 4 modalidades nas quais você pode encontrar o profissional ideal para o seu projeto: Marketplace, Inhouse, Select e On-demand.

No Marketplace você encontra milhares de profissionais, navega por seus portfólios e consegue contratar diretamente o profissional que mais gostar, sem intervenções.

Já o Inhouse é um serviço ideal para grandes empresas. Nele nós fazemos a curadoria e alocamos squads inteiras para trabalhar exclusivamente e de forma recorrente com o cliente.

No Select, você pode abrir uma demanda 100% personalizada e contar com nossa tecnologia para fazer uma curadoria de propostas para seu projeto. Trazemos de 3 a 5 propostas para seu projeto, você escolhe a sua preferida e o trabalho começa.

E o On-demand, que é nossa maior inovação. É um modelo de ‘productized service’, onde nós temos escopo e preço fechados para serviços específicos. Esse modelo é ideal para quem precisa de velocidade e a certeza de uma qualidade superior na entrega dos serviços. Isso porque nós desenvolvemos uma metodologia própria de controlo da qualidade, de forma que conseguimos padronizar entregas e garantir o escopo perfeito.

No fim do dia, nós entregamos uma solução completa para contratar e vender serviços digitais para todas as partes. Sem burocracia, com velocidade, entregas de alta qualidade e com grande escala.

Estamos operando desde Janeiro de 2020 e já atendemos mais de 300 clientes em 5 países diferentes, com qualidade 5 estrelas em quase 3.000 trabalhos. Nosso NPS hoje é de 95, um número surpreendentemente alto para nosso modelo de negócios. Isso é reflexo do bom trabalho que temos feito e uma consequência do nosso propósito, que é o “Ajudar pessoas a viverem do que amam”.

Temos atendido clientes de todos os tamanhos, desde empreendedores em início de trajetória até grandes corporações e scale-ups brasileiras, como Descomplica, L’oreal, Universal Music, Faber Castell e tantas outras.

Nossa plataforma traz uma escala para as operações de marketing e vendas que nenhuma outra consegue fazer, de uma maneira simples e enxuta de gerenciar projetos nessas áreas.

Qual é o seu background e como surgiu a ideia deste negócio?

Eu atuei por muitos anos nas áreas de engenharia de processos, desenhando mapas de fluxo de valor e otimizando processos dentro da indústria. Vim a me tornar especialista em lean manufacturing, com diversas certificações de excelência nessa área. Esse know-how é o que hoje eu considero um dos grandes diferenciais para a Marfin, visto que nós trouxemos os conceitos de lean para dentro do marketing, algo que não existia até então.

Mas em 2015 eu estava determinado a empreender e saí da indústria. Eu já vinha estudando muito sobre negócios e marketing desde 2013. E enxerguei no empreendedorismo um caminho para viver daquilo que eu gostava de fazer, uma maneira de tomar minhas próprias decisões sobre o que fazer ou não.

Meu primeiro negócio foi na área de educação empreendedora para músicos. Eu sou músico e tinha uma banda de rock na época. A nossa banda era como um empreendimento e enxerguei uma possibilidade de ensinar a maneira como nós gerenciamos nossa banda para outros músicos.

Foi nesse processo que conheci o Fábio Marx, que hoje é meu sócio na Marfin. O Fábio administrava bandas e realizava eventos locais de música. Foi ele quem veio falar comigo com o interesse de participar no projeto de educação para músicos.

Já trabalhávamos de forma 100% remota quando ninguém ainda falava disso. Não cobrávamos horários e ninguém precisava bater ponto. Tínhamos uma gestão descentralizada, com metodologias ágeis e autonomia para o time.

Mas esse projeto foi um fracasso. Descobrimos, tarde demais, que o músico realmente não quer empreender. Ele quer tocar. E nosso projeto não decolou.

Sem dinheiro, em 2016 eu comecei a atuar como redator freelancer em plataformas de freelance. Ao mesmo tempo, Fábio e eu começamos um novo projeto na área da música, que foi ideia dele, mas que estava engavetada. 

Conforme eu avançava no mundo freelance, me tornei consultor de marketing digital depois de obter algumas certificações nessa área. 

Isso deu muito certo.

Eu me tornei o freelancer nº1 da América Latina na principal plataforma para freelance da região em 1 ano, na frente de mais de 1 milhão de outros profissionais. Isso me trouxe muitos clientes e dinheiro. Eu tinha uma fila de mais de 900 pessoas querendo minhas propostas.

Com essa enorme demanda, eu convidei o Fábio a abrirmos uma agência de marketing digital. O Fábio é webdesigner e então fizemos uma dobradinha: ele fazia os sites dos clientes e eu cuidava da estratégia de marketing deles.

Com isso, abrimos nosso primeiro negócio juntos oficialmente em julho de 2017. Contratamos algumas pessoas e continuamos com essa agência até o fim de 2019.

E aquele outro projeto na área da música, que era ideia do Fábio, também acabou não vingando e abandonamos totalmente o mercado da música mais tarde.

Como foi o processo de lançamento do negócio?

Em 2019, nós nos demos conta que uma agência de marketing não era algo que queríamos ter para sempre. Não nos completava em termos de propósito.

Fábio e eu sempre sonhamos muito grande e, infelizmente, uma agência dificilmente consegue suprir essa necessidade de escala que nós tínhamos.

Nós sabíamos que poderíamos ir muito mais longe e ajudar muito mais pessoas no mundo todo. 

Criamos esse nosso primeiro negócio com a missão de ser um lugar diferente. Já trabalhávamos de forma 100% remota quando ninguém ainda falava disso. Não cobravámos horários e ninguém precisava bater ponto. Tínhamos uma gestão descentralizada, com metodologias ágeis e autonomia para o time. 

Era realmente um lugar diferente para trabalhar.

Esse moto de ‘ser e fazer diferente’ nos guia até hoje e nós queríamos trazer essa possibilidade de ter uma nova maneira para se trabalhar em todo o globo.

E, depois de ler o livro ‘Organizações Exponenciais’, as coisas ficaram ainda mais claras para nós, no sentido de ter um Propósito Massivo Transformador e mudar o mundo.

Foi daí que surgiu a ideia da nossa plataforma. 

Algumas perguntas que nos guiaram foram:

  • E se nós pudéssemos ter uma plataforma que oferece os serviços que oferecemos, mas em escala?
  • E se profissionais independentes do mundo todo pudessem trabalhar de onde querem, o quanto querem, quando querem, de forma simples e organizada?
  • E se nós tentássemos tirar a subjetividade da prestação de serviços, baseada em orçamentos, e transformar em algo padrão, com preço e escopos claros para o cliente?

Começamos a fazer pesquisas, conversar tanto com empresas quanto com profissionais independentes, para entender as dores que eles tinham.

No final de 2019, tínhamos um protótipo da nossa plataforma e fomos buscar investimento. Nós estávamos determinados a nos tornar uma Organização Exponencial.

Então, decidimos fazer o pivot do negócio. Em 2020, nós deixaríamos de ser uma agência para nos tornarmos uma plataforma.

Avisamos os clientes sobre isso e começamos a nos preparar. Alguns dos nossos clientes toparam migrar para o modelo de plataforma e nós iríamos começar a plataforma com clientes pagantes.

Conseguimos um investimento-anjo no final de 2019, o que nos ajudou a contratar o time necessário para fazer acontecer a mudança.

Como foi os primeiros tempos em atividade? O que funcionou em termos de atrair os primeiros clientes?

No início de 2020, nós tínhamos a confiança de que o modelo iria catapultar nossa receita. Já estávamos com cerca de 30 clientes pagantes no MVP e muito entusiasmados.

Nossa estratégia de Go-to-market era a de usar o canal de outbound em vendas para atrair novos clientes com promoções de serviços. Colocamos isso na conta do marketing e parte do nosso investimento-anjo era para essa atração de novos clientes.

O estoicismo é uma escola da filosofia que me ajuda muito a liderar a empresa. Entender a dicotomia do controle me ajudou a ter mais foco em fazer meu trabalho e tomar as decisões que preciso tomar.

Mas, duas coisas aconteceram.

A primeira, foi a pandemia do COVID-19. Isso fez com que todos os clientes do MVP cancelassem seus contratos. 100% dos clientes foram perdidos. Nós tínhamos que começar do zero em Março de 2020. A versão 1.0 da plataforma iria ser lançada em Abril.

A segunda coisa foi que nossa estratégia de go-to-market não funcionou como gostaríamos. Nós estávamos de fato atraindo muitos clientes, com a esperança de que eles comprassem mais serviços e aí sim teríamos lucro (nossa oferta de entrada tinha custo de R$ 50 e nós estávamos vendendo por R$ 7,90 na primeira compra. Ou seja, estávamos pagando para atrair esses clientes com a intenção de que eles comprassem mais no preço normal no futuro). Mas, o fato é que os clientes gostavam muito das entregas, porém não voltavam a comprar. Identificamos que levava cerca de 3 meses para uma recompra. E o motivo disso era apenas a falta de urgência do cliente, nada de errado do nosso lado.

Ao ver isso, mudamos nossa estratégia. Passamos a usar o outbound para conversar com clientes para propostas de recorrência desde o início em um ticket que pagasse o nosso CAC. E as vendas avulsas no outbound deveriam ser superiores a um ticket que também equivalesse a 3x o CAC.

Essa mudança fez com que começássemos a ter receita recorrente a partir do Q3 de 2020 e o negócio começou a crescer muito.

Como está a correr neste momento o negócio, e como prevê a evolução nos próximos 3 anos?

Hoje, nossos principais canais de aquisição são via outbound e inbound. Até pouco tempo atrás o outbound se destacava, mas temos visto nossos esforços de inbound começarem a funcionar. 

Como somos experts em marketing, sabíamos que o inbound precisava de um tempo para poder dar frutos e foi isso que fizemos. Continuamos produzindo conteúdo e materiais para fazer nosso funil engrenar.

Temos um outro canal muito interessante hoje que é o de Partners. Criamos um Programa de Parcerias com Agências de Marketing. Nós sabemos o que uma agência precisa, pois já tivemos uma. E isso nos traz expertise para ajudar agências a escalarem conosco.

Tudo isso fez com que em 2021 nós mais do que dobrassemos nosso faturamento em relação a 2020. 

2020 foi um ano difícil para todos. E para a Marfin não foi diferente. Lançamos uma empresa nova, com um modelo de negócios novo, em plena pandemia.

Mas vencemos.

E 2021 foi ainda melhor.

Para citar alguns números, nosso LTV hoje é 15x o nosso CAC e vamos crescer 130% nesse ano.

Temos agora visto nossos esforços de marketing começarem a dar resultados, com mais de 20 mil acessos no nosso site mensalmente e leads inbound crescendo diariamente. 

Estamos passando por um processo de rebranding para fortalecer ainda mais nossa marca, identidade visual e comunicação. Somos uma empresa diferente e que faz o que diz.

Por exemplo, somos pioneiros na implementação prática da semana de 4 dias. Somos 100% remotos e não temos cobrança de horários. Nosso princípio é que cada pessoa precisa estar feliz fazendo o que faz e isso é uma prioridade. 

O meu foco é criar um ambiente de segurança psicológica onde as pessoas podem realmente ser quem são. Afinal, é somente assim que elas podem entregar o seu melhor.

E agora isso vai ficar evidente em nossa nova identidade.

O que destaca como mais importante em termos de aprendizagem com o lançamento deste negócio que queira partilhar connosco?

Focar no que está no seu controle e aprender a aceitar as outras coisas não estão.

O estoicismo é uma escola da filosofia que me ajuda muito a liderar a empresa. Entender a dicotomia do controle me ajudou a ter mais foco em fazer meu trabalho e tomar as decisões que preciso tomar.

Não empreenda se você não tem um propósito muito grande. Não seja um mercenário que quer ganhar dinheiro vendendo uma startup. As chances de você conseguir ter sucesso com isso são muito pequenas e existem maneiras mais certeiras de ficar rico.

Por exemplo, não está no meu controle se vamos receber uma rodada de investimento. O que está no meu controle é apoiar meu time para atingirmos nossas metas, fazer um bom pitch e trazer clareza sobre nossos resultados. Se vamos ou não receber o investimento, não importa, pois é uma opinião. Eu fiz o meu trabalho.

E se fosse para citar algo que eu faria de diferente, com certeza seria ter mais prioridade com as vendas no estágio inicial. Você primeiro precisa vender, depois pensar em produto, marketing ou outras áreas. Com vendas e dinheiro no caixa você pode construir produto, fazer marketing e todo o resto.

Que plataforma web e ferramentas de marketing digital são usadas para o seu negócio?

  • Hubspot - para CRM e automação de marketing

Conselhos para os nossos leitores e futuros empreendedores que pretendem lançar o seu negócio?

Não empreenda se você não tem um propósito muito grande. Não seja um mercenário que quer ganhar dinheiro vendendo uma startup. As chances de você conseguir ter sucesso com isso são muito pequenas e existem maneiras mais certeiras de ficar rico.

Empreendedorismo é para os apaixonados e loucos. Os missionários. Aqueles que tem coceira ao pensar em um problema e que se arrepiam em querer resolvê-los. 

Você tem grandes chances de ficar muito pobre, com muitas dívidas, perder tudo o que construiu da noite para o dia. É muito arriscado se seu motivo é apenas dinheiro.

Mas, se mesmo assim quiser, foque primeiro nas vendas. Como seu negócio ganha dinheiro, mesmo que não seja lucrativo no início. Você precisa provar que sua solução possui demanda o suficiente e, o quanto antes descobrir isso, melhor.

Onde podemos saber mais sobre a sua empresa?

No site marfin.co você encontra tudo sobre a empresa. 

Temos dicas muito legais sobre marketing digital para iniciantes e avançados no blog e nas redes sociais. O Instagram é o @marfin.co e o blog está disponível no site. Tem muitos guias e materiais interessantes para você consumir.

Fundador da Marfin

Olá, sou o José, o fundador do PerfilEmpreendedor. Aqui entrevistamos empresários e líderes de sucesso e partilhamos as suas histórias.

Queremos ajudar a comunidade de empreendedores e futuros empreendedores a começar o seu negócio.

Estás interessado em começar o teu próprio negócio? Inscreve-te na nossa newsletter para estares sempre a par das histórias de empresários de sucesso de lingua Portuguesa, que explicam como começaram o seu negócio.

Integra a nossa comunidade:

  • Recebe conselhos úteis de empresários da nova geração sobre os desafios e as barreiras a ultrapassar num novo negócio;
  • Conecta com outros membros like-minded;
  • Obtém dicas preciosas de como começar e fazer crescer o teu negócio;
  • Recebe de forma exclusiva a nossa newsletter com os melhores exemplos de sucesso;
  • E muito mais...!
  • Deixe um comentário

    O seu endereço de email não será publicado. Os campos necessários estão sinalizados.

    {"email":"Email address invalid","url":"Website address invalid","required":"Required field missing"}